Topo
E-mail redacao@noca.com.br
Faça do NOCA sua home Página inicial
Data Sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
Anuncie Anuncie
       
Topo
Mural
BOM DIA! LÉA, quero ouvir a musica Miragem no Deserto com a Banda Noda de Cajú. Abraç...
FLAVIO VILANOVA ''O ADVOGADO", BRASILIA - DF
Boa noite! MEREÇO GANHAR PORQUE SOU FÃ DO PORTAL NOCA E DESSA DUPLA !ALEM DISSO, ACOMPANHO...
LIDINEIA DOS SANTOS ALMEIDA PINHO, Caxias ma - MA
+ mais mensagens
 
Faça sua Busca!

Notícias Colunas
Sebastião Nery

Saudades de lacerda

Aumentar Fonte   Diminuir Fonte
 
22/07/2010 10:36h

Logo após o golpe de 1964, o general Castelo Branco despachou Carlos Lacerda, governador da então Guanabara, para uma viagem à Europa e aos Estados Unidos, a fim de tentar "explicar" o acontecido. Lacerda andou por Paris, Bonn, Londres, Lisboa, Nova York. ("Os jornais americanos eram mais simpáticos à Revolução do que os europeus", contou depois.)

Em Nova York, Lacerda foi jantar com Juracy Magalhães, embaixador em Washington, o editor Alfredo Machado (Record) e o editor norte-americano Alfred Knopf. Chegou o garçom com a sopa:

- Oh, governador, o senhor por aqui?

- Oh, rapaz, você é o brasileiro?

- Sou. Sou de Belo Horizonte.

Serviu Juracy, mas não o reconheceu, Juracy ficou com raiva, mas não disse nada. Alfredo Machado estava sendo servido:

- Quanto é que você faz aqui?

- Bem, ganho um total de 700 a 800 dólares por mês.

- Poxa, esse mineirinho ganha mais do que um embaixador.

- É, mas nós trabalhamos.

JURACY

Juracy explodiu:

- Por isso é que a vida pública é uma coisa insuportável. O homem sacrifica a sua vida o tempo inteiro e quando chega na idade em que cheguei, depois de todos os serviços que prestei ao Brasil, um menino brasileiro diz que trabalha mais do que um embaixador. Então ele acha que eu vim aqui como vagabundo?

Alfredo Machado reagiu:

- Embaixador, quero lembrar que a piada foi minha, não foi do rapaz. Se o senhor quer brigar, brigue comigo.

Lacerda riu muito. Juracy calou a boca.

LACERDA

No governo de Lacerda na Guanabara, dr. Sidney era o chefe do serviço médico da Penitenciária Lemos Brito, na rua Frei Caneca, no Rio. Lacerda recebeu denúncias, mandou fazer um inquérito na penitenciária, demitiu o diretor por corrupção, chamou o dr. Sidney:

- O senhor vai assumir a direção da Lemos Brito.

- Governador, não entendo de penitenciária. Sou apenas um médico.

- O senhor tem duas qualidades que me bastam: é um homem correto e é respeitado por funcionários e presos. Vai assumir.

Dr. Sidney assumiu.

DR. SIDNEY

Quando começaram os assaltos a bancos pela luta armada, no Rio, já em 65, os seis primeiros presos foram mandados para a Lemos Brito. Dr. Sidney chamou o chefe da guarda:

- Chegaram aí seis jovens assaltantes de bancos. São estudantes, meninos das melhores famílias da cidade, envolvidos no terrorismo político, por extremadas convicções ideológicas. São presos políticos. Quero que eles fiquem separados dos presos comuns, isolados e recebendo tratamento especial.

- Pois não, senhor diretor, vou dar tratamento especial a eles.

Ao meio-dia, o chefe da guarda, gordo e sisudo, abriu a cela dos jovens assaltantes, curvou-se cerimoniosamente:

- Senhores terroristas, boa tarde. Vamos ao almoço

CASSINO

Em 1965, Lacerda foi ao Japão, à Índia e ao Líbano, em visita oficial. No Líbano, esperando-o, os deputados Jorge Curi (UDN do Paraná, depois cassado) e padre Godinho (UDN de São Paulo, também casado).

À noite, foram levados ao cassino Beirute, maravilhoso, show no nível do "Lido" de Paris. Depois do show, a roleta. Padre Godinho ficou de fora, não por virtude, porque sorte não é pecado, mas com medo das fichas.

Lacerda e Jorge começaram a jogar. Jorge, também libanês, zangado com as fichas conterrâneas, não acertava uma. Lacerda, naquele audacioso rompante de sempre, pegava todas as fichas e arriscava numa parada só. Deu, recebeu, arriscou tudo de novo. Deu novamente. Reuniu tudo e fez a terceira parada total. Acertou na cabeça. Jorge e o padre extasiados:

- Carlos, você fez três plenos. Coisa dificílima. Ganhou uma fortuna.

GORJETA

O crupiê recolheu as fichas todas numa bandeja enorme.

Lacerda olhou aquele montão de fichas:

- Jorge, quanto será que vale isso?

- Cinqüenta mil libras libanesas. Entre 25 e 30 mil dólares.

Lacerda parou um instante, chamou o crupiê:

- Tudo isso é seu. É a gorjeta.

O crupiê segurou a bandeja. Trêmulo, quase desmaiou. Jorge e o padre ficaram desesperados:

- Carlos, isso é uma loucura. Gorjeta de 30 mil dólares?

- Vamos embora. Esse tipo de sorte não existe. Isso é do governo. Eles estão querendo é comprar o governador da Guanabara.

E voltou para o hotel.

RIO

Quando vejo a dupla Piciani e Lindenberg na TV, candidatos do PMDB e PT ao Senado pelo Rio, fico com saudades de Carlos Lacerda.

| Versão para Impressão | Enviar por e-mail |
Últimas Notícias Colunas Anteriores
29/10 - Isabelita sem perón
03/09 - Um grande morto
18/08 - Beijo na boca
11/08 - A previdência imprevidente (fim)
04/08 - Parque de diversões
22/07 - Saudades de lacerda
17/07 - Fichas Sujas
07/07 - O ''seca pimenteira''
30/06 - O Vício da Vice
25/06 - Maranhão, o campeão
*As informações, notícias e opiniões expressadas neste espaço são de inteira responsabilidade do colunista.
Rádio Online
TV Online

Tv Ofértas Seu canal de compras (play Boy)
Publicidade
Resolução Mínima de 800x600 © Copyright 2007, Noca.com.br
Desenvolvido por Mundi Brasil