PUBLICIDADE

Responsive image

Wybson Carvalho

Recanto do Poeta

Últimas postagens

Uma crônica sobre papo de dois boleiros caxienses e seus veios artísticos, além do futebol

Sonhar é preciso...  “a vida é amiga da arte”... CV. Vez em quando, os homens de mente sã põem-se à imaginação utópica e chegam a realizar viagens sem bagagem material e, somente, em busca de dádivas possíveis. Pois bem!  Há algum tempo, sentado a uma mesa na confraria do Cantarelle, após ter deglutido várias doses do vinho da cana de açúcar, lembrei-me de dois...
Continuar lendo
Data:29/11/2021 14:41

Clemência ao Itapecuru

O rio refém A parca víscera líquida sob a ponte leva a magra lâmina doce ao destino corrente para a imensidão gorda de boca gulosa e estômago viciado à digestão salgada Fome e sede do Itapecuru Com quantos dentes mastigas as vidas engolidas por ti no escorrego dessa garganta de correnteza lenta de águas servidas formando o esgoto com uma só víscera que secará dia-a-dia face à derrubada de tua...
Continuar lendo
Data:23/11/2021 07:24

Folhas

Umas,  as arvorígenes caem  e  adubam o chão  para renascerem e abrigarem a quem em plácidas sombras  lhes possa contemplar outras, em celulose nos livros florecem o conhecimento a quem lhes lê o que lhes está escrito...!
Continuar lendo
Data:15/11/2021 10:11

Ser e estar eterno

A vida é assim mesmo:  início, meio e fim, sempre... você não é o que foi  e nem será o que é...  "o homem advém do pó e ao pó retornará"!
Continuar lendo
Data:08/11/2021 14:59

Caxias: fatos históricos e datas marcantes

Aldeias Altas – no século XVII, quando os portugueses com suas investigações e explorações iam invadindo o interior da Província, os índios Gamelas e Timbiras, perseguidos ou aterrados se foram recolhendo às florestas e montanhas e, principalmente, à margem direita do Rio Itapecuru.  Encontraram um lugar, que acharam muito próprio para, nele, se abrigarem e se defenderem, e assim fundaram bastantes aldeias....
Continuar lendo
Data:02/11/2021 10:01

Caxias: resumo

Foi na Igreja de São Benedito que, em 1858, o antístite da Igreja Maranhense, Dom Manoel Joaquim da Silveira, denominou Caxias com o título: “A Princesa do Sertão Maranhense”. A história de Caxias começa, no século XVII, com o Movimento de Entradas e Bandeiras ao interior maranhense, para o reconhecimento e ocupação das terras às margens do Rio Itapecuru, durante a invasão francesa no Maranhão,...
Continuar lendo
Data:25/10/2021 15:54

Ao encantamento deles

Aos poetas  Andarilhos sob um mesmo calvário. anjos ou demônios terráqueos. pretensiosos, querem adivinhar a cor da ambiência celestial ou infernal. encantamento, é a conclusão desses poemas escritos. Nauroemcidade Para Nauro Machado O sal que banha essa ilha... o barro escondido na construção desse patrimônio cultural da humanidade... eis, o que Nauro é... eis, onde Nauro está... eternamente, São...
Continuar lendo
Data:18/10/2021 14:58

Poemas duvidosos

Féretro Deitarei  na madeira fôrma. pagada estará a luz dos meus dias e noites - sol, lua e estrelas fogem da vida terminada - o amarelado fogo das velas envoltas iguala-se ao meu pálido corpo inerte e estendido qual iguaria posta à mesa do velório. já estará faminta a profunda cova  aberta com a língua úmida da morte e os dentes afiados no cio da solidão. Naturezas: A animal, o instinto criou o...
Continuar lendo
Data:11/10/2021 08:01

Poemas à ruptura

Traição recíproca Se o afã insidiou e não somos um só ser eu não sou você e você não é eu então, traí a mim mesmo ao ser traído por ti  e, sem nós dois,  o quê resta é a ausência presente  do que não somos no que queríamos ser. Afã acabado Sobre o mesmo caminho, caminharemos nossos passos ao que não pode...
Continuar lendo
Data:04/10/2021 11:23

Poesia é dádiva divina

Ele e nós Pai, Filho e Espírito Santo: essa tríplice ubiquidade além comunhão,  em vida. Homem, povo e terra: esse nicho disperso aquém ambiência,  à unanimidade. Ceticismo e crença Eis a questão! sal, ao pão, para a existência da matéria doce, ao vinho, para a vida eterna do espírito. aleluia à fé... O ser e a poesia advindos de mim  Minha poesia veste-me...
Continuar lendo
Data:27/09/2021 14:51


< Anterior Próxima >
Página 1 de 15

PUBLICIDADE

Responsive image
© Copyright 2007-2019 Noca -
O portal da credibilidade
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelo Google:
A Política de Privacidade e Termos de serviço são aplicados.
Criado por: Desenvolvido por:
Criado por: Desenvolvido por: